Josemaría Escrivá Obras
813

Fazei tudo por Amor. - Assim não há coisas pequenas: tudo é grande. - A perseverança nas pequenas coisas, por Amor, é heroísmo.


814

Um pequeno ato, feito por Amor, quanto não vale!


815

Queres de verdade ser santo? - Cumpre o pequeno dever de cada momento; faz o que deves e está no que fazes.


816

Erraste o caminho se desprezas as coisas pequenas.


817

A santidade “grande” está em cumprir os “deveres pequenos” de cada instante.


818

As almas grandes têm muito em conta as coisas pequenas.


819

Porque foste "in pauca fidelis" - fiel no pouco -, entra no gozo do teu Senhor. - São palavras de Cristo. - "In pauca fidelis!..." - Será que vais desdenhar agora as pequenas coisas, se se promete a Glória a quem as guarda?


820

Não julgues nada pela pequenez dos começos. Uma vez fizeram-me notar que não se distinguem pelo tamanho as sementes que darão ervas anuais das que vão produzir árvores centenárias.


821

Não esqueças que, na terra, tudo o que é grande começou por ser pequeno. - O que nasce grande é monstruoso e morre.


822

Dizes-me: - Quando se apresentar a ocasião de fazer algo de grande... então, sim! - Será? Pretendes fazer-me acreditar, e acreditar tu seriamente, que poderás vencer na Olimpíada sobrenatural sem a preparação diária, sem treino?


823

Viste como levantaram aquele edifício de grandeza imponente? - Um tijolo, e outro. Milhares. Mas, um a um. - E sacos de cimento, um a um. E blocos de pedra, que são bem pouco ante a mole do conjunto. - E pedaços de ferro. - E operários trabalhando, dia após dia, as mesmas horas...

Viste como levantaram aquele edifício de grandeza imponente?... À força de pequenas coisas!


824

Não tens reparado em que “ninharias” está o amor humano? - Pois também em “ninharias” está o Amor divino.


825

Persevera no cumprimento exato das obrigações de agora. - Esse trabalho - humilde, monótono, pequeno - é oração plasmada em obras que te preparam para receber a graça do outro trabalho - grande, vasto e profundo - com que sonhas.


826

Tudo aquilo em que intervimos os pobrezinhos dos homens - mesmo a santidade - é um tecido de pequenas insignificâncias que, conforme a intenção com que se fazem, podem formar uma tapeçaria esplêndida de heroísmo ou de baixeza, de virtudes ou de pecados.

As gestas relatam sempre aventuras gigantescas, mas misturadas com pormenores caseiros do herói. - Oxalá tenhas sempre em muito apreço - é a linha reta! - as coisas pequenas.


827

Já paraste a considerar a enorme soma que podem vir a dar “muitos poucos”?


828

Foi dura a experiência; não esqueças a lição. - As tuas grandes covardias de agora são - é evidente - paralelas às tuas pequenas covardias diárias.

“Não pudeste” vencer nas coisas grandes, porque “não quiseste” vencer nas coisas pequenas.


829

Não viste os fulgores do olhar de Jesus quando a pobre viúva deixou no templo a sua pequena esmola?

- Dá-Lhe tu o que puderes dar; não está o mérito no pouco nem no muito, mas na vontade com que o deres.


830

Não sejas... bobo. É verdade que fazes o papel - quando muito - de um pequeno parafuso nessa grande empresa de Cristo.

Mas sabes o que significa o parafuso não apertar o suficiente ou saltar fora do seu lugar? Cederão as peças de maior tamanho ou cairão sem dentes as rodas.

Ter-se-á dificultado o trabalho. - Talvez se inutilize toda a maquinaria.

Que grande coisa é ser um pequeno parafuso!


Anterior Próximo