Josemaría Escrivá Obras
608

Perante os que reduzem a religião a um cúmulo de negações, ou se conformam com um catolicismo de meias-tintas; perante os que querem pôr o Senhor de cara contra a parede, ou colocá-Lo num canto da alma..., temos de afirmar, com as nossas palavras e com as nossas obras, que aspiramos a fazer de Cristo um autêntico Rei de todos os corações..., também dos deles.


609

Não trabalhes em empreendimentos apostólicos, construindo somente para agora... Dedica-te a essas tarefas com a esperança de que outros - irmãos teus com o mesmo espírito - colham o que semeias a mãos cheias e arrematem os edifícios que vais alicerçando.


610

Quando o espírito cristão te animar de verdade, os teus anseios se irão retificando. - Já não sentirás ânsias de conseguir renome, mas de perpetuar o teu ideal.


611

Se não é para construir uma obra muito grande, muito de Deus - a santidade -, não vale a pena entregar-se. Por isso, a Igreja - ao canonizar os santos - proclama a heroicidade da sua vida.


612

Quando trabalhares a sério pelo Senhor, a tua maior satisfação consistirá em que haja muitos que te façam concorrência.


613

Nesta hora de Deus, a tua passagem pela terra, decide-te de verdade a realizar alguma coisa que valha a pena; o tempo urge, e é tão nobre, tão heróica, tão gloriosa a missão do homem e da mulher sobre a terra, quando acendem no fogo de Cristo os corações murchos e apodrecidos! - Vale a pena levar aos outros a paz e a felicidade de uma rija e jubilosa cruzada.


614

Jogas a vida pela honra... Joga a honra pela alma.


615

Pela Comunhão dos Santos, tens de sentir-te muito unido aos teus irmãos. Defende sem medo essa bendita unidade! - Se te encontrasses só, as tuas nobres ambições estariam condenadas ao fracasso: uma ovelha isolada é quase sempre uma ovelha perdida.


616

Achei graça à tua veemência. Perante a falta de meios materiais de trabalho e sem a ajuda de outros, comentavas: “Eu só tenho dois braços, mas às vezes sinto a impaciência de ser um monstro com cinqüenta, para semear e apanhar a colheita”. - Pede ao Espírito Santo essa eficácia... Ele ta concederá!


617

Chegaram-te às mãos dois livros em russo, e deu-te uma vontade enorme de estudar essa língua. Imaginavas a beleza de morrer como grão de trigo nessa nação, agora tão árida, que com o tempo dará crescidos trigais... - Acho bem as tuas ambições. Mas, agora, dedica-te ao pequeno dever, à grande missão de cada dia, ao teu estudo, ao teu trabalho, ao teu apostolado e, sobretudo, à tua formação, que pelo muito que ainda deves podar - não é tarefa nem menos heróica nem menos bela.


618

Para que serve um estudante que não estuda?


619

Quando estudar se torne para ti uma encosta muito árdua, oferece a Jesus esse esforço. Dize-Lhe que continuas debruçado sobre os livros para que a tua ciência seja a arma com que combatas os seus inimigos e ganhes muitas almas para Ele... Então poderás ter a certeza de que o teu estudo leva caminho de converter-se em oração.


620

Se perdes as horas e os dias, se matas o tempo, abres as portas da tua alma ao demônio. Esse comportamento equivale a sugerir-lhe: “Aqui tens a tua casa”.


621

Dizes que é difícil não perder o tempo - Concedo-te... Mas olha que o inimigo de Deus, os “outros”, não descansam. Além disso, lembra-te desta verdade que Paulo, um campeão do amor de Deus, proclama: "Tempus breve est!" - esta vida escapa-nos das mãos, e não existe a possibilidade de recuperá-la.


622

Tens consciência do que significa seres ou não uma pessoa com sólida preparação? - Quantas almas!... - E agora deixarás de estudar ou de trabalhar com perfeição?


623

Existem duas maneiras de alcançar altura: uma - cristã -, pelo esforço nobre e galhardo de subir para servir os demais homens; e outra - pagã -, pelo esforço baixo e ignóbil de afundar o próximo.


624

Não me afirmes que vives de cara para Deus, se não te esforças por viver - sempre e em tudo - com sincera e clara fraternidade de cara para os homens, para qualquer homem.


625

Os “ambiciosos” - de pequenas e miseráveis ambições pessoais - não entendem que os amigos de Deus aspirem a “alguma coisa”, por serviço e não por “ambição”.


626

Uma ansiedade te consome: a pressa em forjar-te logo, em moldar-te, em martelar-te e polir-te, para chegares a ser a peça harmônica que cumpra eficazmente a tarefa prevista, a missão atribuída..., no grande campo de Cristo. Rezo muito por ti, para que esse anseio seja acicate na hora do cansaço, do malogro, da obscuridade..., porque “a missão atribuída no grande campo de Cristo” não pode mudar.


627

Precisas lutar decididamente contra essa falsa humildade - comodismo, é como deverias chamá-la -, que te impede de comportar-te com a maturidade do bom filho de Deus: tens de crescer! - Não te causa vergonha ver que os teus irmãos mais velhos levam anos de trabalho abnegado, e que tu ainda não és capaz - não queres ser capaz - de mexer um dedo para ajudá-los?


628

Deixa que a tua alma se consuma em desejos... Desejos de amor, de esquecimento próprio, de santidade, de Céu... Não te detenhas a pensar se chegarás alguma vez a vê-los realizados, como te sugerirá algum sisudo conselheiro; aviva-os cada vez mais, porque o Espírito Santo diz que Lhe agradam os “varões de desejos”. Desejos operantes, que tens de pôr em prática na tarefa cotidiana.


629

Se o Senhor te chamou “amigo”, tens de responder à chamada, tens de caminhar com passo rápido, com a urgência necessária: ao passo de Deus! Caso contrário, corres o risco de ficar em simples espectador.


630

Esquece-te de ti mesmo... Que a tua ambição seja a de não viveres senão para os teus irmãos, para as almas. para a Igreja; numa palavra, para Deus.


631

No meio do júbilo da festa, em Caná, apenas Maria repara na falta de vinho... Até aos menores detalhes de serviço chega a alma se, como Ela, vive apaixonadamente pendente do próximo por Deus.


Anterior Próximo